Enem: História – o que estudar?

Todos os anos, quase 9 milhões de brasileiros se inscrevem para a prova mais importante do ensino médio. E como não é pouca gente, torna-se mais importante ainda saber se preparar para aproveitar ao máximo todas as chances de se sair bem nas avaliações.

E como com todo o conteúdo exigido, se preparar para o exame de História requer planejamento, comprometimento e responsabilidade. Esta disciplina requer estudos permanentes para conseguir assimilar todos os conteúdos de forma que se transformem em conhecimento e não só em matéria memorizada.

A prova de História faz parte do exame de Ciências Humanas e suas Tecnologias. Como particularidade, é feita de longos textos que demandam uma excelente interpretação e conexão em relação aos conteúdos administrados no Ensino Médio. Neste sentido, o mais importante é conseguir conectar os conteúdos assimilados sobre a História com as questões que estabelecem relações com temas mais atuais.

Conteúdos mais exigidos

Alguns temas são mais recorrentes do que outros no exame de História do Enem. Desde que foi criado, encontramos uma predominância sobre temas como Primeira e Segunda Guerras Mundiais, o Brasil República e Brasil Colônia, a Era Vargas, o Período Militar no Brasil, Idade Média e Escravidão, além de Guerra Fria e a Revolução Industrial. Pela própria natureza da prova, que busca criar relações, é comum encontrar questões que se conectam com a atualidade do Brasil.

Idade Média

A Idade Média compreendeu o período entre os séculos V e XV, começando com a queda do Império Romano e terminando com a Idade Moderna. Dentre os temas que podem ser abordados neste período estão o Império Romano, o Império Bizantino, as Cruzadas e o Renascimento.

Grandes Guerras

A Primeira Guerra Mundial teve seu início em 1914, estendendo-se até 1918. Passados 21 anos, inicia-se a Segunda Guerra Mundial, em 1939, que prolongou-se até 1944. O período de paz entre as duas grandes guerras é chamado de Período Entre Guerras, e pode também ser um assunto a cair no Enem, além dos fatos históricos, políticos e econômicos que culminaram com os dois maiores conflitos armados de toda a história do mundo.

Ditadura Militar

O regime militar no Brasil é um acontecimento da história do Brasil muito recorrente no Enem. O Golpe de Estado em 31 de março de 1964 teve como consequência a Ditadura Militar de 1964 a 1985. Os chamados “anos de chumbo” foram marcados por mortes, tortura nos quartéis, e depois pela campanha das Diretas Já, com o final do Regime e a eleição indireta de Tancredo Neves e José Sarney para a presidência da república em 1985.

Dicas

No caso das questões com introduções extensas, é fundamental concentrar-se na pergunta antes de ler o texto relacionado. Ao manter o foco na procura da resposta, fica mais fácil relacionar os conteúdos com a questão em si. Isso faz com que você perca menos tempo por questão e já procure a resposta. Mas, atenção: leia o texto quantas vezes for necessário para não se confundir.

Outro aspecto importante é levar as referências dos textos e ilustrações em consideração. Informações como data e autoria podem marcar a diferença entre escolher uma ou outra resposta. Por exemplo, às vezes são usadas “charges” retiradas de jornais antigos e isso muda totalmente a interpretação da imagem: o que parecia uma afirmação, pode ser um questionamento.

Questões de história do ENEM para você ficar ainda mais craque

Questão 1

(ENEM-2008) A Peste Negra dizimou boa parte da população europeia, com efeitos sobre o crescimento das cidades. O conhecimento Na América inglesa, não houve nenhum processo sistemático de catequese e de conversão dos índios ao cristianismo, apesar de algumas iniciativas nesse sentido. Brancos e índios confrontaram-se muitas vezes e mantiveram-se separados. Na América portuguesa, a catequese dos índios começou com o próprio processo de colonização, e a mestiçagem teve dimensões significativas. Tanto na América inglesa quanto na portuguesa, as populações indígenas foram muito sacrificadas. Os índios não tinham defesas contra as doenças trazidas pelos brancos, foram derrotados pelas armas de fogo destes últimos e, muitas vezes, escravizados. No processo de colonização das Américas, as populações indígenas da América portuguesa:

A) foram submetidas a um processo de doutrinação religiosa que não ocorreu com os indígenas da América inglesa.

B) mantiveram sua cultura tão intacta quanto a dos indígenas da América inglesa.

C) passaram pelo processo de mestiçagem, que ocorreu amplamente com os indígenas da América inglesa.

D) diferenciaram-se dos indígenas da América inglesa por terem suas terras devolvidas.

E) resistiram, como os indígenas da América inglesa, às doenças trazidas pelos brancos.

Questão 2

(ENEM-2003) Observe as duas afirmações de Montesquieu (1689-1755), a respeito da escravidão:

A escravidão não é boa por natureza; não é útil nem ao senhor, nem ao escravo: a este porque nada pode fazer por virtude; àquele, porque contrai com seus escravos toda sorte de maus hábitos e se acostuma insensivelmente a faltar contra todas as virtudes morais: torna-se orgulhoso, brusco, duro, colérico, voluptuoso, cruel.

Se eu tivesse que defender o direito que tivemos de tornar escravos os negros, e/s o que eu diria: tendo os povos da Europa exterminado os da América, tiveram que escravizar os da áfrica para utilizá-los para abrir tantas terras. O açúcar seria muito caro se não fizéssemos que escravos cultivassem a planta que o produz. (Montesquieu. O espírito das leis.) Com base nos textos, podemos afirmar que, para Montesquieu:

A) o preconceito racial foi contido pela moral religiosa.

B) a política econômica e a moral justificaram a escravidão.

C) a escravidão era indefensável de um ponto de vista econômico.

D) o convívio com os europeus foi benéfico para os escravos africanos.

E) o fundamento moral do direito pode submeter-se às razões econômicas

Questão 3